Quebra-cabeça da vida!

“Ir embora é como debulhar o quebra-cabeça da vida. Os pedaços do que somos vão ficando no caminho. Os pedaços do caminho vão nos tornando.”
Mel Fronckowiak

quebra-cabeca

Anúncios

O que nos impede de alcançar a realização

Por Lygya Maya

A esperança sempre bate à nossa porta no ano que finda para dar lugar ao ano que começa.

Muita gente olha o ano velho com alívio e outros com pesar por várias razões. Com alívio temos o exemplo das pessoas que não conseguiram alcançar seus sonhos e se sentem frustradas, outras pessoas podem ter tido a notícia de um falecimento na família (como foi o meu caso) e este ter sido o ano que abraçamos um ente querido pela última vez.

Minha filosofia sobre a vida é simples: se estou viva, tenho a oportunidade de ser feliz e por isso mesmo vou fazer o meu melhor e, muitas vezes, o “anormal”(politicamente correto) para que a felicidade seja parte de minha experiência na terra.

Por essa razão, vou dedicar este artigo aos que ainda vivem e têm a oportunidade de aprender a grande lição que viemos aprender. Saber viver!

Quando usamos o poder de concentrar nossa mente e coração no “presente” , podemos imaginar um ano novo com uma vida nova, não é mesmo? Podemos também, com a força de nosso desejo, manifestar o que queremos por experiência própria. Mas então, porque será que a maioria das pessoas não manifestam seus desejos?

Você já pensou nisso? O que será que faz com que algumas pessoas alcancem mais do que outras? Às vezes, são pessoas que nós nunca poderíamos imaginar que alcançassem tal nível de realização. Notem que não menciono sucesso profissional ou pessoal, porque sucesso é relativo em se tratando de uma pessoa para outra. Porém realização é mais do que sucesso.

Sucesso pode ser financeiro, reconhecimento da família ou de um público, etc. Já a realização é algo interno, muito raro entre nós, tão raro que você conta nos dedos as pessoas que passaram pela sua vida e disseram com convicção; “Sou uma pessoa realizada” .

Acho que a “realização” não conta como prioridade na vida de muitas pessoas: o sistema educacional não explora esse assunto nas escolas e os seres humanos crescem sem ter paixão pelo que fazem e, por isso, leva a maior parte da vida e/ou toda a vida, trabalhando somente para ganhar o salário ou a comissão. Com isso, as pessoas “sobrevivem” antes e depois da aposentadoria. Aposentadoria essa que se prestarmos atenção ao sistema político brasileiro, é reduzida cada vez mais enchendo de vergonha e indignação os brasileiros mais bravos e patrióticos.

Nos Estados Unidos, muitas pessoas depois dos 50-60 anos ainda se aventuram a abrir as portas do seus sonhos de criança e/ou adolescência, conseguindo enfeitar seus dias com “realização” por aquilo que é sua missão na Terra.

Na minha opinião, o que nos impede de manifestar nossos desejos são os seguintes fatores:

· Ignorância da pessoa sobre si mesma, ou seja, o que realmente deseja no fundo do coração

· Medo

· Falta de disciplina

Ignorância sobre si

– Para que possamos ultrapassar desafios, precisamos ter conhecimento sobre nós mesmos em relação a vida. Se temos o poder de criar vidas, tenho certeza que também podemos criar situações que nos proporcionem alegria e saúde.

Como ativar nosso poder de manifestação?

Lendo, aprendendo, experimentando e praticando para manifestar o que queremos sendo Ano Novo ou não.

A falta de autoconhecimento nos LIMITA porque o mundo dentro de nós fica desconhecido e isso acaba criando INSEGURANÇA/ MEDO.

Medo

Para que serve o medo?

Resposta: O medo nos serve para proteger e defender de algum perigo.

Existem dois tipos de medo:

1) O medo que a natureza nos deu, para nos proteger de um perigo real, e

2) O medo que criamos por causa de experiências na nossa infância.

– Medo de rejeição

– Medo de amar

– Medo da solidão

– Medo do sucesso

Autodisciplina

A autodisciplina é uma qualidade que nos ajuda a tornar nossos desejos possíveis. Com ela podemos nos tornar pessoasextraordinárias. As pessoas indisciplinadas mesmo tendo tudo nas mãos – educação, oportunidade e dinheiro – dificilmente conseguirão alcançar mais do que a mediocridade.

Pode ser que você pense neste momento que será difícil se disciplinar já que não tem tempo, energia, ou dinheiro. As razões que usamos para NÃO fazer algo que nos beneficie são muitas vezes “lógicas”, e pela lógica das coisas você limita sua possibilidade de vitória em relação ao que deseja para si.

Mas as pessoas bem sucedidas não usam somente a “lógica”. Elas usam também as emoções para impulsioná-las além do normal. Vencem muitas barreiras em qualquer idade.

Que você use seu poder 100% e manifeste sua realização o mais depressa possível.

Ser feliz não é uma questão de destino. É uma questão de escolha!”

Lygya Maya

Pode gostar de:
Cinco dicas para nos libertar na encruzilhada da vida
Como não se sentir abandonado(a)

Como não se sentir abandonada (o)

Por Lygya Maya

De acordo com nossa interpretação se alguém que amamos sai de nossa vida, seja fisicamente, emocionalmente ou espiritualmente, fomos abandonados. Assimilando esta interpretação  e este sentimento,  temos a impressão que somos limitados por não ter conseguido manter aquele alguém perto ou  nos amando.

Para alguns, pronto, acabou o mundo. O drama toma conta da vida dessas pessoas e, por muitas vezes, as leva a extremas consequências como doenças emocionais, mentais, espirituais, físicas e até a morte.

O que podemos fazer ou pensar para que este fato não nos atinja de uma maneira catastrófica como atinge milhares de seres humanos?

Bom, vamos pensar juntos: se o sentimento produzido por nós mesmos foi criado por causa de nossa interpretação do fato, então é óbvio que temos o poder de recriar uma nova interpretação para esse fato, concorda? Essa é a chave do poder humano que muitos não usam por ignorância do próprio poder.

Esse poder de criar que temos pode tanto nos destruir quanto nos aprimorar, cabe a nós decidir onde e como focar nossa mente.

O que fazer para aprimorar nossas vidas? Podemos fazer 3 coisas:

1) Mudar a interpretação que traz sofrimento imediatamente.

Por exemplo: Qual é o oposto da interpretação que nos leva a sofrer? Que somos ilimitados e capazes de mudar a nossa vida para melhor aconteça o que acontecer. Portanto, temos as opções de pensar que:

a)      Somos fortes o suficiente para vivermos sozinhos

b)      Temos outras pessoas que nos amam e/ou amarão no futuro

c)       Há males que vem para o bem

d)      Antes só do que mal acompanhada (o)

e)      Mudança em nossa vida é sempre bom. Sabe porquê? Por que sempre poderemos aprender com isso.

2) Agir daí por diante com mais amor próprio do que antes

Por exemplo:  O que lhe traz mais alegria e felicidade na vida?

a)      Faça uma lista de situações e coisas que lhe fazem feliz

b)      Escreva um plano organizado em que essas situações e coisas possam ser parte de sua vida

c)       Organize sua vida de acordo com o plano para que sua lista seja manifestada e curtida por você.

3) Ser um eterno aprendiz

a)      O que pode ser aprendido da lição que a vida nos deu?

b)      O que fazer para não repetir a dor e o sofrimento na vida?

c)       Como seria possível ser uma pessoa tão desejável  e querida que seria difícil deixar ou se desligar?

Entendeu o raciocínio?

Podemos usar o fato de uma pessoa  sair de nossa vida como uma excelente lição para o nosso aprendizado e evolução ao invés de lástima, frustração e estresse dramático e deprimente.

A i esta a chave do poder  de um ser interpretar os fatos de uma maneira positiva visando a um resultado gratificante.

Assim sendo, o abandono (ou ausência de outrem) se torna uma experiência digna de um guerreiro ou guerreira se tornar um(a) vitorioso(a)  na batalha da realização pessoal e profissional para sempre.

Afinal de contas, você nasceu só por alguma razão.

Sua no aprendizado sobre si.

Lygya Maya

 

Pode gostar de:
Cinco dicas para nos libertar na encruzilhada da vida
Reflexão de um novo ano

 

Cinco dicas para nos libertar na encruzilhada da vida

Por Lygya Maya

Em qualquer estrada da vida, existem curvas, desvios e encruzilhadas. Talvez a encruzilhada seja o desafio mais desconcertante que nós encontramos no caminho. Com quatro caminhos para escolher e com conhecimento limitado sobre onde eles vão dar podemos facilmente ser levados ao caminho errado.

Qual é a garantia de que vamos escolher o caminho certo? Será que escolhermos apenas um caminho qualquer, ou apenas permanecermos onde estamos: na frente de um cruzamento confuso? O que seria o mais inteligente escolher?

Não há garantias na vida.

Realmente não sabemos onde uma estrada irá nos levar antes da nossa decisão. Não há quaisquer garantias. Esta é uma das coisas mais importantes que precisamos ser conscientes sobre a vida e as escolhas que faremos. Ninguém pode gurantir que nossa escolha vai ser a certa o tempo todo, e sempre nos levará à felicidade. Amar alguém de todo o coração não garante que esse alguém devolverá esse amor no mesmo nível. Ganhar fama e fortuna não garante felicidade tampouco senão nenhuma celebridade sofreria e morreria de overdose como estamos acostumados a ler na mídia. A realidade é que não podemos controlar as pedras do caminho. A única coisa que temos é o poder sobre as decisões que vamos tomar, e como vamos agir e reagir a situações diferentes.

Decisões erradas estão sempre incluidas no processo da aprendizagem.

Se tivessemos sabido que estavamos fazendo uma decisão errada, será que teriamos escolhido ter ido por onde fomos? Talvez não, por que escolheriamos um certo caminho quando sabiamos que iriamos ficar perdidos? Por que tomar uma determinada decisão se soubessemos desde o início que não é o caminho certo? É só depois de ter tomado uma decisão e refletir sobre isso que podemos realizar a solidez do fato. Se as conseqüências ou resultados são bons para nós, então saberemos que decidimos corretamente. Caso contrário, nossa decisão foi errada.

Assumir o risco de tomar uma decisão.

Como a vida não oferece garantias e nunca saberemos que nossa decisão foi errada até que tenhamos feito isso, então assumir o risco e decidir é definitivamente melhor do que manter-se na frente da encruzilhada sem se mover. Embora seja verdade que uma manobra errada pode nos deixar perdidos, poderiamos também pensar que tal fato poderia ser uma oportunidade para uma aventura, inclusive abrir mais estradas e possibilidades. É tudo uma questão de perspectiva. Temos a escolha entre ser um viajante perdido ou um turista acidental da vida.

Aqui estão 5 dicas que podem ajudar você a escolher a melhor opção diante de algumas encruzilhadas na vida:

✺ Obtenha o máximo de informações possível sobre a sua situação.

Não podemos encontrar a confiança necessária para decidir quando sabemos tão pouco sobre o que enfrentar adiante. Assim como qualquer repórter, tem de fazer as perguntas certas: o que, quem, quando, onde e porquê. Qual é a situação? Quem são as pessoas envolvidas? Quando isso aconteceu? Onde está esse líder? Por que você está nesta situação? Estas são apenas algumas das perguntas para nos ajudar a saber mais sobre a situação. Isso é importante. Muitas vezes, o motivo da indecisão é a falta de informações relativas a uma situação.

✺ Identificar e criar algumas opções.

Quais as opções que aquela situação nos dá? Às vezes, as opções são poucas, mas às vezes são numerosas. Mas o que fazer quando a situação não oferece opções? Este é o momento que podemos criar nossa própria opção. Fazer nosso trabalho usando a mente e a criatividade . Do mais simples ao mais complicado, entreter todas as idéias. Não ignorar nada uando uma idéia vem à sua cabeça. Às vezes a idéia mais extravagante poderá ser o caminho certo no final. Podemos pedir a um amigo para ajudar a identificar as opções e até mesmo fazer mais opções se encontrarmos alguma dificuldade, mas tomar a decisão no final é imprescindivel para o aprendizado de vida que este processo oferece.

✺ Pese os prós e os contras de todas as opções

Devemos avaliar cada opção, olhando para as vantagens e desvantagens que elas nos oferecem. Desta forma, teremos uma ideia mais clara sobre as conseqüências de tal opção.

✺ Confie em si e tome a decisão.

Agora que avaliamos nossas opções, é hora de confiar em nós mesmos. Lembre que não existem garantias e decisões erradas, estas estão sempre incluidas no pacote da aprendizagem. Então, decidir, escolher e acreditar que estamos escolhendo a melhor opção é a solução.

Agora que já tomamos uma decisão, devemos estar preparados para enfrentar as conseqüências desta decisão: sendo boa ou ruim. Podemos ir para um lugar de riqueza e felicidade ou a uma situação de preocupação e problemas. Mas o importante é que fizemos nossa escolha para viver nossa vida ao invés de permanecer um espectador em nossa vida. Se essa é a decisão certa ou não, só o tempo dirá. Mas não devemos nos arrepender e ficar debatendo sobre o que foi decidico, seja qual for o resultado. Em vez disso, aprendemos com a escolha e nunca se esqueça que sempre teremos a chance de tomar decisões mais acertadas no futuro.

✺ Se divirta com suas decisões

O que é melhor? Atuar como uma pessoa seríssima, certissima, e chatíssima ou se divertir aprendendo com nossas imperfeições?

De uma coisa eu tenho certeza, quando decidimos que teremos de ser perfeitos em tudo que fazemos, teremos muito mais chances de adoecer, nos estressando e frustrando até perdermos o sabor de viver como um aprendiz, que é justamente o que viemos fazer aqui.

Sua nas decisões e imperfeições

Lygya Maya

Decore sua casa e deixe-a mais Zen!

Quer emocionar alguém especial? Dê um bom livro virtual de presente!

%d blogueiros gostam disto: