Inspire-se

Veronica H: Só numa multidão de amores

‘ Não me deixe ir, posso nunca mais voltar. ‘ Clarice Lispector

Eles não estavam trocando juras de amor, não andavam de mãos dadas, nem se chamavam por nomes infantis. Não tinha pieguice romântica ali. Mas foi a cena mais doce que eu vi: dois olhares se encontrando. Não só se encontrando: se confortando, se sabendo, se completando. Eu notei que eles eram algo além de amigos, que se desejavam e se protegiam, e foi só pela cumplicidade dos olhos, que deixavam de ser dois e se enlaçavam quatro.

Eu quis então ter um olhar pra mim. Não alguém pra chamar de meu, como diz o clichê, como grita a conveniência, mas um olhar que fosse meu por puro encaixe. Foi um pouco de inveja, talvez. Eu soube naquelas duas pessoas que elas não se sentiam sozinhas ou perdidas. Que mesmo depois de um dia cheio e chato, tinham uma certeza de carinho. E eu quis. Quis algo além da rotina do trabalho e gente fabricada com seus narizes perfeitos e cabelos penteados. Quis algo certo como o frio na barriga e a respiração travada, o coração esquecendo de bater. Quis algo errado que me fizesse bem só por escapar do caminho óbvio de toda noite. Uma espera no fim do dia, sabe? Essa espera. Não a espera de uma vida toda sem saber o que buscar pra ser feliz. Só sair do dia igual pra ter uma noite diferente. E tornar esse diferente comum só porque é bom estar perto.

Todo o amor que eu sufoquei por excesso de razão agora grita, escapa, transborda. Estou só numa multidão de amores, assim como Dylan Thomas, assim como Maysa, assim como milhões de pessoas; assim como a multidão de amores está só, em si. Demonstro minha fragilidade, meu desamparo. Eu não procuro alguém pra pentencer e ter posse, só quero uma fonte segura de amor que não dependa das obrigações, das falas decoradas, dos scripts prontos. Eu sei que eu abri mão de várias oportunidades. Sei que fiz pouco caso do amor que me entregaram de maneira pura e gratuita, só porque eu achava que podia encontrar coisa melhor. Se as pessoas estão sempre indo e vindo, eu só queria alguém minimamente eterno em sua duração, que me fizesse parar de achar normal essa história de perder as pessoas pela vida.

Vou embora querendo alguém que me diga pra ficar. Estou sempre de partida, malas feitas, portas trancadas, chave em punho. No fundo eu quero dizer “Me impede de ir. Fica parado na minha frente e fala que eu tenho lugar por aqui, que não preciso abandonar tudo cada vez que a solidão me derruba. Me ajuda a levar a vida menos a sério, porque é só vida, afinal.” E acabo calada, porque não faz sentido dizer tudo isso sem ter pra quem.

Eu não quero viver como se sobrevivesse a cada dia que passo sozinha. Não quero andar como se procurasse meu complemento em cada olhar vago. Eu acho que mereço mais que isso por tudo o que eu sei que posso fazer por alguém. E fico só esperando, na surpresa do dia que eu desencanar de esperar, um par de olhos que me faça ficar sem nenhuma palavra, nada além de dois olhos se enlaçando quatro. Nessa multidão de amores, sozinho é aquele que não espera.

Verônica H.

Etiqueta Empresarial e o Marketing pessoal

O valor da imagem no marketing pessoal

Saiba chamar a atenção para os eu trabalho

 

A competição acirrada por uma vaga no mercado de trabalho gerou uma corrida cujo vencedor é aquele que consegue agregar o maior número de qualidades. O currículo se tornou mais do que uma folha cheia de informações e obriga o candidato a procurar outras maneiras de se destacar.

A imagem é uma preocupação constante entre os aspirantes a uma carteira assinada. Valorizar a imagem do profissional no mercado de trabalho corresponde à aplicação de um conhecimento muito apreciado por quem está em início de carreira, o marketing pessoal.

O marketing pessoal ensina o indivíduo a aproveitar ao máximo seus dons e habilidades e contribui para o posicionamento do profissional em um lugar de destaque na empresa onde trabalha.

De acordo com o conceito de marketing pessoal, você é uma microempresa que precisa organizar todos os aspectos da sua carreira para que seja vista de forma positiva. Para conseguir imprimir essa imagem, o profissional deve analisar a situação que está vivendo. Depois de avaliar finanças, recursos, rede de amigos e estágio acadêmico, você deve definir quais são os seus objetivos.

Traçando objetivos segundo o marketing pessoal

Mentalize o seu alvo

 

Você quer ser promovido dentro da sua empresa ou mudar de emprego? Como você se imagina daqui a vinte anos? Responder a perguntas como essa vai ajudar você a entender quais são seus verdadeiros objetivos profissionais.

Quando você se depara com suas expectativas e com o que possui de patrimônio pessoal, é hora de relacionar quais os passos necessários para atingir sua meta,isto é, fazer seu marketing pessoal.

Não adianta você ser altamente competente ou conhecedor da atividade que quer desempenhar. Você precisa ter uma postura profissional e aplicar as regras da etiqueta empresarial. Assim, seu chefe e colegas de trabalho vão fazer questão da sua presença na equipe.

Construção da marca no marketing pessoal

Construa sua marca

 

Um produto com uma marca bem-sucedida deve ter qualidade e ser bem conceituado. A mesma lógica serve para quem quer fazer seu marketing pessoal. Não basta ser bom, é necessário saber divulgar o que se faz.

Seja um produto de qualidade e passe a ser respeitado por todos. Construa a sua marca de forma sólida fundada em conhecimentos adquiridos e experiências produtivas. Assim, será mais fácil vender sua imagem.

O Marketing pessoal não exige que você seja perfeita, mas ensina você a tornar seus defeitos invisíveis a partir de uma estratégia de comunicação eficiente. Seus pensamentos e atitudes devem trabalhar a seu favor no ambiente profissional.

Ações de marketing pessoal

Saiba se comunicar

 

Aqui relacionamos algumas dicas de etiqueta empresarial para você investir em seu marketing pessoal e melhorar a maneira como o mundo a vê.

  • Observe pessoas bem sucedidas e descubra como elas se relacionam e o que fazem para serem percebidas de forma tão positiva.
  • Invista nos seus estudos. Idiomas, pós- graduação e outros cursos de aperfeiçoamento.
  • Aumente seu networking, rede de amigos e relacionamentos. Quanto maior for a rede de contatos, melhor será a possibilidade de conseguir uma indicação.
  • Seja visto! Participe de eventos sociais, almoços, encontros empresariais.
  • Simpatia abre portas e faz novos contatos.
  • Saber ouvir, falar e trabalhar em equipe são pontos fortes que estampam sua marca na memória dos que trabalham com você.
  • Fique antenada com o que acontece no mundo. Você vai conseguir participar de qualquer roda de conversa e ser interessante.
  • Ética e valores morais sempre devem nortear suas ações. Não prejudique ninguém para alcançar o que deseja, você será a maior prejudicada.

 

 

 

 

Boas maneiras no dia a dia

Boas maneiras em encontros a dois

Cavalheirismo faz parte da etiqueta

 

O convívio social pede hábitos à primeira vista insignificantes, mas que ajudam a manter uma relação harmoniosa com as pessoas a nossa volta e evitam alguns constrangimentos.

Ao sair, o casal deve seguir regras de boas maneiras para manter o romantismo e a postura em lugares públicos. Se a mulher subir uma escada, o homem subirá logo atrás. Para descer acontece o contrário, o homem vai logo à frente da mulher, protegendo-a de uma eventual queda.

O homem é quem entra primeiro no restaurante ou no teatro, pois é o responsável por falar com o maître ou por localizar a poltrona. No restaurante, o homem deve dirigir a palavra ao garçom. A mulher diz a ele o que quer e este transmite o pedido. Quando a nota chegar, é elegante conferir o valor com discrição.

Se casal encontrar algum conhecido, comentários sobre a intimidade dos dois devem ser evitados. É de mau gosto contar as divergências do casal e, pior ainda, pedir a opinião de outra pessoa. Na frente dos outros, marido e mulher não devem esquecer o respeito e a consideração.

Na hora da saída, a mulher vai à frente. Ao chegar ao carro ou táxi, o homem abre a porta para a acompanhante e entra depois.

Boas maneiras em eventos

Comporte-se sem exageros

 

Falar alto, gesticular com exagero, apontar, assobiar, falar palavrões e gírias na frente de pessoas com as quais não tenha intimidade são atitudes que devem ser evitadas.

Se você estiver com muito sono, peça licença e vá ao banheiro passar água fria no rosto. Não é de bom tom bocejar na frente dos outros, pois dá a entender que você não está apreciando o encontro.

Caso o evento seja na casa de alguém, deixe tudo na mais perfeita ordem: tampa do vaso fechada, papel no lixo, pia limpa, sabonete no local apropriado e toalha de mão bem dobrada e no lugar.

Em rodas de conversa todo tipo de assunto é falado, mas em determinadas situações é melhor ouvir do que falar. Quando alguém passa por uma tragédia e decide abordar o assunto, é de péssimo gosto fazer perguntas a respeito do ocorrido. Você escuta com pesar, mas não pergunta nada.

Em algumas situações, chamar a atenção soa mal. Se você for a um enterro, visita de pêsames ou missa use sempre roupa e maquiagem discretas e de cores neutras.

Boas maneiras no dia a dia

Tire os óculos ao cumprimentar alguém

 

A preocupação com o outro é um dos princípios da etiqueta provada com pequenos gestos que, no dia a dia, demonstram seu nível de educação.

Embora óculos escuros sejam charmosos, quando se aproximar de pessoas tire-os para que vejam o seu olhar.

Se receber dinheiro, não se acanhe de contar na frente da pessoa que o deu ou de conferir o cheque, mas faça isso com discrição.

Ao receber um livro emprestado, não se esqueça de devolvê-lo no mesmo estado em que o pegou. Assim que terminar de ler um jornal, dobre e deixe-o pronto para outras pessoas lerem.

Quando alguém viaja para longe ou mesmo se muda para outra cidade, faça uma visita de despedida. No dia do embarque, se você for muito íntimo, vá ao aeroporto, mas não monopolize o tempo do viajante, pois provavelmente ele precisa despedir-se de muitas pessoas.

Boas maneiras e o bom senso

Use o bom senso quando for ao hospital.

 

O bom senso também é necessário ao visitar um amigo ou parente no hospital. Se o paciente não for muito próximo, ligue para a família ou para o hospital para saber a que horas pode visitá-lo.

Não faça uma visita demorada e seja positiva tocando somente em assuntos leves e descontraídos. Se for feito algum tratamento durante a visita, saia do quarto e volte depois.

Todos nós estamos sujeitos a cometer gafes. Caso ela aconteça, aja como se nada tivesse acontecido. É o melhor jeito de disfarçar, e menos pessoas perceberão o ocorrido.

A etiqueta também influencia na sua vida profissional.

 

 

 

 

Os 7 sinais da paixão

Gestos e atitudes iniciais

O primeiro contato é visual

 

E não é que aconteceu? Você estava na hora certa, no lugar certo e o tão esperado príncipe (que você avaliou ser sua cara-metade) se materializou na sua frente. Depois de uns olhares furtivos, uma rápida checagem física, uns eletrizantes toques no seu braço e um papo meio desajeitado, você descobriu que está apaixonada. Você não tem dúvida: é ele.

Esse estado entorpecedor de felicidade em que desejo e atração física se misturam aos hormônios no cérebro e no corpo produz inúmeros “sintomas”. Geralmente o primeiro contato é visual: os olhares começam a se cruzar e discretamente vão se encontrando e finalmente, eles se fixam um no outro.

Quando há aproximação do casal, os dois tendem a inclinar o corpo na direção do outro e, sobretudo, olham para o rosto e lábios do outro como se nada mais existisse ao redor. Frequentemente se tocam levemente no braço durante a conversa. O sorriso é fácil. Às vezes, um dos dois pode gaguejar e se atrapalhar com as palavras. Atitudes estabanadas e um tanto ridículas aparecem nos primeiros encontros.

Sintomas físicos

A paixão tira o sono

 

Os primeiros contatos, seja pessoal ou virtual, causam sintomas físicos nos apaixonados. Há um aumento na produção de alguns hormônios como adrenalina, cortisol e endorfina. Por causa deles, aparecem alguns sinais corporais característicos: coração bate descompassadamente, a respiração acelera, as mãos ficam trêmulas, suadas e frias; a boca fica seca, as faces e os lábios mais avermelhados, as pupilas dos olhos se dilatam, há perda do apetite e dificuldade para dormir.

Alteração do humor

Humor dos apaixonados oscila

 

Euforia, intensa sensação de felicidade, exaltação e energia aumentada são muito comuns na paixão, assim como sentimentos de medo, angústia e dúvida. A mudança repentina de humor é muito comum, os apaixonados passam abruptamente da euforia do encontro à angústia da separação ou à incerteza de ainda ser “amada” pelo escolhido num fim de semana sem telefonema ou SMS.

Enfoque nas qualidades e omissão dos defeitos

Encantamento esconde os defeitos

 

Os apaixonados enxergam o mundo através de lentes cor-de-rosa. É o romance com toda a sua intensidade e brilho. Há um encantamento por tudo relacionado ao outro, tanto pelos hábitos mais irritantes (que no começo parecem charmosos e bonitinhos), como por aqueles agradáveis.

O eleito parece ser a pessoa mais perfeita do mundo, que não comete nenhum erro. Ambos mostram e só enxergam suas qualidades e virtudes e, por outro lado, ocultam seus defeitos. É fato: a paixão é cega, surda e até “emburrece” .

Pensamentos obsessivos

Pensar 24h na pessoa é sintoma da paixão

 

Uma das marcas registradas da paixão é pensar repetidamente no outro: durante o banho, no ônibus, durante aquela longa reunião, no carro, no almoço com os colegas de trabalho. O pensamento fica dando voltas e ocupa quase todas as horas do dia e da noite do apaixonado. Fantasias pueris ou sexuais com ele, estratégias para encontrá-lo e abordá-lo de forma inusitada, fixação em seus traços físicos e da personalidade: tudo é motivo para colocar a mente em intensa atividade.

Dependência emocional

A insegurança angustia

 

Os apaixonados sentem que estão ligados profundamente um ao outro e experimentam grande dependência emocional. O planeta todo gira em torno do casal.

Ambos sofrem uma extraordinária ansiedade pela separação. Sentem intensa saudade um do outro mesmo que a separação seja de pouco tempo. A insegurança e o medo pelo afastamento podem provocar intensas “cenas emocionais”.

Intenso desejo sexual e possessividade

Apaixonado é possessivo

 

O sentimento de “ele tem que ser meu” é muito forte. A testosterona, em ambos, está por trás de tanto desejo sexual. A exclusividade sexual é ardentemente desejada e caso haja suspeitas de infidelidade, o ciúme imediatamente entra em cena.

Por que tanta possessividade? A biologia tem uma explicação. Desde os nossos ancestrais, tais sentimentos provavelmente se desenvolveram por um importante propósito: direcionar os parceiros para excluir outros “concorrentes” e assim garantir que o ato de fazer a corte não será interrompido até que a relação sexual esteja completada. Afinal, a natureza sempre visa à perpetuação da espécie e tal possessividade ainda continua “inscrita” no nosso DNA e na nossa mente.

E qual a conclusão? Embora estar apaixonado seja vivenciar deliciosamente um turbilhão de sentimentos e comportamentos arrebatadores e únicos, a paixão também tem um lado ridículo, irracional, egocêntrico e obsecado. Conhecer seus sinais e saber identificá-los pode dar um sentido mais racional e equilibrado, mas nem por isso menos encantador, pois muitas bobagens e equívocos são cometidos, justamente nos momentos mais loucos da paixão.

 

O que está por trás da felicidade?

Felicidade, uma emoção complexa

Felicidade é considerada bem inquestionável

 

Acordar de manhã, pular da cama e se sentir feliz é para quem pode ou para quem quer ser realmente feliz na vida? O que nos impele ou nos afasta da tão cobiçada felicidade? Sou feliz porque sou otimista ou sou otimista porque sou feliz? Felicidade e dinheiro andam juntos? Ter uma religião nos torna mais felizes? Viver sozinho ou viver junto com alguém: o que me faz mais feliz? São tantas perguntas que fazemos desde nossos primórdios sobre a tal felicidade que você já deve ter se questionado, e muito, sobre essa complexa emoção.

Um dos primeiros povos preocupados em conhecer mais a fundo a felicidade foram os gregos. Antes do aparecimento de Sócrates, eles acreditavam que a felicidade dependia da vontade dos deuses. Por sinal, esse conceito perdurou por muitos séculos em várias culturas do Ocidente. Mas Sócrates foi o pioneiro em afirmar que a busca da felicidade é uma tarefa de responsabilidade de cada um de nós, e que a filosofia seria um caminho para alcançá-la.

Séculos à frente, a Revolução Francesa tinha como um de seus ideais a busca dos cidadãos pelo direito à felicidade. Na atualidade, a felicidade é considerada um bem extremamente valioso e inquestionável. E aparece citada até na Declaração de Independência dos EUA: “todo homem tem o direito inalienável à vida, à liberdade e à busca da felicidade”.

O que é a felicidade?

Felicidade tem diferentes significados

 

Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa felicidade significa: “1. qualidade ou estado de feliz, estado de uma consciência plenamente satisfeita, satisfação, contentamento, bem-estar; 2. boa fortuna, sorte; 3. bom êxito, acerto, sucesso”.

No artigo “Felicidade: uma revisão”, os psiquiatras Renata Ferraz, Hermano Tavares e Monica Zilberman definem a felicidade como “uma emoção básica caracterizada por um estado emocional positivo, com sentimentos de bem-estar e de prazer, associados à percepção de sucesso e à compreensão coerente e lúcida do mundo”.

Em outras palavras, para alcançar a felicidade é necessário equilibrar características intrínsecas da pessoa, como personalidade, traços psicológicos, valores e genética, e elementos externos, como situação social, financeira, cultural, educacional, profissional e religiosidade.

A oscilação natural, ou seja, se sentir feliz ou não, faz parte do jogo da vida. Felicidade pode ser uma emoção fugaz que dura minutos a horas ou uma emoção sustentada, que perdura semanas, meses ou anos. E mais importante, como afirmavam os filósofos gregos Demócrito e Epiteto, “não é o que acontece com o indivíduo que pode deixá-lo feliz, mas a maneira como ele interpreta esses acontecimentos”.

E para você, qual o significado da felicidade?

Otimismo, renda e estado civil

Casados demonstraram ser mais felizes

 

Pensamentos e atitudes positivas têm grande influência na forma como interpretamos a realidade. Ser otimista é acreditar profundamente que as coisas vão dar certo. E estudiosos tem confirmado que é o otimismo que leva ao sucesso, e não o oposto. Ser otimista é estar motivado e ter perseverança para enfrentar os obstáculos, aprender com os erros e celebrar os acertos. Por sinal, pesquisas recentes comprovam que quanto mais crenças otimistas tem uma pessoa, mais protegida ela está contra a piora de doenças.

Um estudo da USP Ribeirão Preto, feito pela economista Sabrina Vieira de Lima, confirma outras pesquisas internacionais: há uma relação estreita entre renda e sensação de felicidade. Ela comprovou que essa relação se torna mais intensa nas pessoas que estão próximas da linha de pobreza e vai reduzindo à medida que as condições financeiras melhoram.

Os homens se mostraram mais felizes que as mulheres, e as pessoas casadas também, se sentiam mais felizes do que as separadas e viúvas. O nível de educação, a idade e a região do país não modificaram o grau de felicidade dos mais de 2.900 brasileiros avaliados.

Felicidade e espiritualidade

Religiosidade tem relação com a felicidade

 

Muitos estudos já comprovaram que comprometimento com a fé, seja por meio da religiosidade (sistema organizado de crenças e práticas com rituais) ou daespiritualidade (busca e conexão com o sagrado e o transcendental) estão associados com maiores níveis de felicidade e satisfação com a vida. Além disso, pessoas que professam alguma fé parecem lidar melhor com problemas e obstáculos, tais como morte na família, desemprego e doenças.

Existem pelo menos dois motivos que explicam a relação entre fé e felicidade. O primeiro é que a espiritualidade dá um sentido e um propósito para a vida das pessoas e proporciona respostas para questões existenciais, que frequentemente causam infelicidade e angústia. O outro motivo é que quando as pessoas participam de rituais religiosos dentro de uma congregação ou comunidade, ficam com a sensação de não estarem sozinhas e abandonadas. Elas se sentem acolhidas, protegidas e com objetivos, e isto as torna mais felizes e satisfeitas.

Felicidade e oxitocina

Oxitocina é liberada na amamentação

 

A biologia tem uma contribuição para entendermos mais sobre a felicidade. A oxitocina -também chamada de hormônio do amor e da confiança – pode ajudar a nos tornar mais felizes. A oxitocina é produzida e secretada pelo nosso cérebro em diversas situações: durante o parto, a amamentação, o orgasmo, em momentos de estresse e na criação de vínculos com as pessoas, como no amor e na amizade.

Pesquisas recentes têm demonstrado que esse hormônio é importante para produzir a sensação de bem-estar e de satisfação com a vida. A oxitocina é um elemento dentre vários mecanismos da nossa mente e corpo que nos deixa felizes. Além disso, há evidências de que ela influencia nossa capacidade de lidar com as adversidades. Ou seja, quanto mais oxitocina produzimos, possivelmente, mais ela nos habilita a lidar melhor com os problemas diários.

Mas ainda restam dúvidas quanto à função desse hormônio na felicidade: se a oxitocina faz as pessoas felizes, ou se as pessoas felizes liberam mais oxitocina quando se sentem confiantes.

Enfim, o importante é que cada um de nós descubra e cultive seus pontos de equilíbrio para gerar momentos ou estados de felicidade. Entretanto, já sabemos que ter atitudes otimistas e de perseverança, criar e compartilhar amizades e relacionamentos, estar inserido num grupo, família ou comunidade, ter uma religião ou ser espiritualizado, ter planos e sonhos, ter bens materiais básicos e renda para a uma vida digna são alguns dos ingredientes que nos aproxima da tão desejada felicidade.

A felicidade na vida a dois é fundamental para nossa realização pessoal.

Mensagem – Não importa o que você é

Não importa o que você é


O importante é o que você quer ser…

Não importa onde você está

O importante é para onde você quer ir…

Não importa o quanto você vá devagar desde que não pare.

Não importa o porque

O importante é o querer …

Não importa suas mágoas

O importante mesmo, são suas alegrias…

Não importa o que você já passou

O passado guarde na sua lembrança …

Não veja; apenas olhe…

Não escute; apenas ouça…

Não toque; sinta…

O mundo é um espelho, não seja apenas um reflexo

Só acreditando no futuro você conseguirá a paz para alcançar seu sonhos…

Afinal, o que importa ?

Você importa …


%d blogueiros gostam disto: