Livre-se do estresse com a terapia floral

Equilíbrio e harmonia.

Livre-se do estresse com a terapia floral

A vida agitada pode provocar exaustão emocional que desequilibra nossa saúde e bem-estar. O estresse pode desencadear sintomas como: gastrite nervosa, insônia, dores de cabeça, irritação, impaciência e medos.

A estafa acontece quando a pessoa está cansada física e emocionalmente. Isso pode deixar algumas pessoas deprimidas e em alguns casos, refugiam-se nos vícios como cigarro, alimentos, álcool, calmantes ou ansiolíticos.

Terapia floral no tratamento do estresse

A terapia floral ajuda a reequilibrar as energias nos momentos de estresse, trazendo equilíbrio e  harmonia interna para que possam encontrar momentos de paz e relaxamento.

Vale lembrar que cada pessoa é um ser único e cada um está apto a relatar e detectar a fonte de seu estresse. A partir daí o terapeuta floral vai escolher as essências que melhor atendam às suas necessidades.

Florais que podem auxiliar nos momentos de estresse:

  • Calmim: fórmula composta de várias essências que trabalham ao mesmo tempo a insônia, a impaciência, a tensão, a irritação e a ansiedade.
  • Ipomea: para aqueles que estão trocando o dia pela noite. Esta essência trabalha o sincronismo. Também é indicado para aqueles que possuem algum tipo de vício.
  • Mormodica: ajuda a relaxar a mente trazendo paz e tranquilidade. Útil para aqueles que estão tendo pensamentos ruminantes e repetitivos.
  • Ícaro: útil àqueles muito audaciosos, com elevadas ambições ou pretensões, que correm riscos sem avaliar suas consequências. Indicado para as personalidades que vivem em busca de ascensão e reconhecimento. Atua também na hipersensibilidade a sons, luzes e cheiros, típicos de cidades grandes, ou em distúrbios funcionais no tato e paladar.

 

Leia também: Estresse. Conheça esse vilão silencioso. |  Estresse! Analise os fatos que te estressam.

Bem Estar: Por que as mulheres vivem mais? |  Alimente seu coração com saúde | Alimentação e doenças cardíacas

Bem Estar: Por que as mulheres vivem mais?

Sexo frágil?

A ideia de que as mulheres são representantes do sexo frágil está cada vez mais ultrapassada. Considerando-se uma das provas essenciais de robustez, o poder para se manter vivo, as mulheres são mais resistentes do que os homens desde o nascimento até a idade mais avançada.

Em média, um homem pode correr mais rápido um percurso de 100 m do que uma mulher e levantar muito mais pesos. Entretanto, atualmente as mulheres vivem cinco a seis anos a mais do que os homens. Na idade de 85 anos existem aproximadamente seis mulheres para quatro homens. Na idade de 100 anos, a taxa é de duas mulheres para um homem.

Mas por que as mulheres vivem mais do que os homens? Uma primeira ideia seria que os homens sofrem mais estresse no trabalho. Porém, sabemos que a mulher está ocupando cada vez mais espaço no mercado de trabalho e isso significa mais responsabilidades com duplas ou triplas jornadas (casa – trabalho – filhos) e ambientes mais competitivos, com maior exposição ao estresse. Além disso, mulheres que exercem somente atividades domésticas podem ter uma carga de trabalho tão pesada quanto as que trabalham fora de casa. Mesmo assim, a expectativa de vida das mulheres não diminuiu.

As mulheres desenvolvem hábitos mais saudáveis do que os homens, preventivamente vão mais ao médico, fumam e bebem menos e seguem uma dieta com mais disciplina. Mas há um detalhe: o número de mulheres que fuma, toma uns drinques a mais e se alimenta de comidas não saudáveis está aumentando. Por isso, os pesquisadores têm afirmado que os hábitos de vida não são os únicos fatores envolvidos na longevidade feminina.

Fêmeas, DNA e gravidez

Os gerontologistas, especialistas em envelhecimento, têm observado que as fêmeas da maioria das espécies animais vivem mais do que os machos. Este fenômeno pode sugerir que a explicação está na nossa biologia.

Muitos cientistas acreditam que o processo de envelhecimento é causado pelo desenvolvimento gradual de um grande número de minúsculos defeitos individuais, como alguns danos no DNA, um desarranjo de proteínas, e assim vai.

Esse desenvolvimento degenerativo significa que a extensão das nossas vidas é regulada pelo balanço entre quão rápido novos danos atingem nossas células e quão eficientemente estas lesões são corrigidas.

Lembremos que os mecanismos para manter e reparar nossas células são maravilhosamente efetivos, mas não são perfeitos o tempo todo. Alguns danos passam despercebidos e se acumulam com os dias, meses e anos. Em outras palavras, nós envelhecemos porque nossos corpos perpetuam estes erros.

E por que nosso corpo não tenta sempre consertar os erros nas células que acontecem pelo caminho da vida, e assim poderíamos viver indefinidamente? Talvez uma das explicações seja o alto custo de energia gasta para “remendar” essas falhas. Como outras espécies, nós humanos também somos fruto da seleção natural e, ao menos na teoria, sobrevivem melhor os representantes da espécie que gastam mais energia com o crescimento e a reprodução do que com a longevidade.

Para muitos estudiosos, a mulher, devido a sua função primordial de engravidar e gerar uma nova vida, talvez tenha sido “equipada” com mecanismos mais robustos de reparação de danos das células e por uma necessidade de melhor estado de saúde. Consequentemente, isso reflete na maior longevidade da mulher quando comparada ao homem, que possui um papel menos direto na gravidez.

Testosterona pode reduzir longevidade

É possível que um dos hormônios que dificulte os processos de reparação das células seja a testosterona. Aparentemente, a testosterona que se encontra em quantidade cerca de 10 vezes menor na mulher, tenha influência negativa sobre a longevidade.

Alguns dados indicam que os eunucos (meninos castrados em muitas sociedades, no passado, para servir a imperadores sem o risco de engravidar as concubinas) apresentavam longevidade maior do que homens normais.

Em estudo realizado em uma instituição psiquiátrica no Kansas, Estados Unidos, onde homens com psicopatias eram castrados, descobriu-se que tais homens viviam em média mais 14 anos em relação aos homens não castrados. Obviamente, a castração não seria uma conduta adequada para aumentar a longevidade no homem.

Ainda estamos começando a entender e conhecer alguns elementos e fatores que podem aumentar ou diminuir a longevidade do ser humano. O fato é que as mulheres já partem na corrida da vida aparentemente mais bem preparadas fisicamente para combater os danos que nos são colocados pelo caminho. As pesquisas não param e, com certeza, em breve, vamos entender um pouco mais sobre o assunto.

No Brasil, registra-se um aumento significativo na expectativa de vida de ambos os sexos.

Leia também: Os TOP 10 exames de check-up para mulheres

Bem Estar – Sono da Beleza

Benefícios do sono para a saúde

Sono faz parte de vida saudável

Shutterstock

Durante séculos o sono foi considerado um tempo perdido. Ele tinha a única função de repor as energias gastas no decorrer do dia. Foi somente nos últimos dez anos que o sono passou a ser estudado mais profundamente e a ciência começou a entender que o tempo gasto com o sono é essencial para a nossa saúde.

Uma noite bem dormida ajuda a manter o peso e a memória, fortalece o sistema imunológico, melhora a função do coração, facilita a criatividade e o aprendizado, além de estimular o raciocínio.

Não há dúvidas de que uma boa noite de sono faz bem e é necessária para nosso corpo e mente. E, existem fortes indícios de que a falta de sono pode afetar nossa beleza e poder de sedução.

Influência do sono na aparência

Dormir mal prejudica o humor

Shutterstock

Quando você não consegue dormir bem, além de ter grande chance de acordar com mau humor, sua aparência pode ficar menos atraente e menos saudável, de acordo com um estudo feito na Suécia.

Parece óbvio, mas os pesquisadores do Instituto Karolinska comprovaram cientificamente, pela primeira vez, que a qualidade do sono influencia muito nossa aparência, além da percepção de atração e saúde que as outras pessoas têm de nós. Os estudiosos acreditam que esta pesquisa é importante especialmente na nossa sociedade que funciona 24 horas por dia e que possui um número cada vez maior de pessoas que sofrem de distúrbios do sono, como a insônia.

Participaram do estudo 23 voluntários com idades entre 18 e 31 anos. Eles foram fotografados entre 14h e 15h em duas ocasiões, uma vez depois de uma noite de sono normal (8 horas dormindo) e uma vez depois de um período de privação de sono de 31 horas (o sono foi interrompido pelos pesquisadores várias vezes). Os fumantes foram excluídos da pesquisa e bebidas alcoólicas foram permitidas até dois dias antes do início do estudo.

Sono da beleza não é mito

Sono tem efeito embelezador

Shutterstock

As fotos das pessoas com sono normal e com falta de sono foram mostradas para voluntários observadores que não sabiam quem havia dormido bem ou não. Eles relatavam como percebiam os indivíduos das fotos: se eles estavam com expressão facial relaxada ou cansada, saudável ou abatida e atraente ou não atraente.

Os observadores julgaram as fotos das pessoas que dormiram mal como as menos atraentes e saudáveis em comparação com as que dormiram bem. Os estudiosos afirmaram que frequentemente nós conseguimos identificar sinais ínfimos na face do outro, em segundos, que nos indicam instintivamente se a pessoa está com um ar cansado ou não. E fazemos isso, geralmente, de forma inconsciente.

Estes dados nos dão boas notícias: o sono pode ser um grande aliado da mulher no quesito beleza. O “sono da beleza” deixou de ser mito, pois pode proporcionar efeitos embelezadores comprovados.

Dormir cerca de 8 horas por dia pode reduzir as rugas no rosto e no pescoço, e amenizar os traços de cansaço porque durante o sono a hidratação e o suor na pele tendem a ser maiores, o que suaviza as marcas de fadiga.

Você sofre de insônia? Saiba como combatê-la e viva melhor.

%d blogueiros gostam disto: