Uma porta se abre a cada dia!

“Uma grande quantidade de portas se abre girando a maçaneta para a direita. Estou diante de uma porta. Giro a maçaneta para a direita e a porta se abre… Bom… Que tal tentar girar para a esquerda? Sim, posso abrir essa porta, basta compreender como está fechada, ao invés de ficar repetindo as maneiras como abre as portas anteriores”

As portas não se abrem sempre da mesma maneira. Os mesmos caminhos que nos levam ao êxito podem também ocasionar o fracasso. A substância que cura também pode matar. Tudo é uma questão da dose, do momento, da aplicação…

Veja o caso da repetição: repetir é uma das condições necessárias à aprendizagem.

Dizemos que alguém aprendeu determinada função, ação ou conhecimento, quando é capaz de repetir em situações idênticas ou semelhantes, a mesma sequência, raciocínio ou processo.

Porém, nossa capacidade de repetir nos conduz inúmeras vezes ao engano.

Aprendemos como abrir uma porta, generalizamos este processo e começamos a abrir todas as portas fechadas que encontrarmos… Até que um dia encontramos uma porta que, em várias tentativas, simplesmente, não abre…

Fomos enganados pelo hábito da repetição. Simplesmente, a maçaneta está ao contrário, ou o sentido da chave está invertido. O fato é que ficamos algum tempo paralisados, pensando porque a porta não abre se fizemos tudo direito?

Quando “congelamos” no processo de repetição, ocorreu apenas uma fase do processo de aprendizagem, mas não a mais importante delas: aquela que dá origem, conhecimento.

O conhecimento nos permitirá utilizar respostas diferentes diante de novos desafios.

Foi assim que reagimos diante da porta:

As portas se abrem girando a maçaneta para a direita. Estou diante de uma porta. Giro a maçaneta para a direita e a porta não abre, logo… Não posso abrir essa porta.

Quando o mais correto seria reagirmos assim:

Uma grande quantidade de portas se abre girando a maçaneta para a direita. Estou diante de uma porta. Giro a maçaneta para a direita e a porta não abre… Bom… Que tal tentar girar para a esquerda? Sim, posso abrir essa porta, basta compreender como está fechada, ao invés de ficar repetindo as maneiras como abre as portas anteriores.

É extremamente simples! Na vida, as portas não se abrem sempre da mesma maneira.

Com base neste raciocínio, pare e reflita: quais são as portas que não se abrem na sua vida?

  • Você está preso à solidão? Abra a porta para estabelecer relacionamentos.
  • Está preso no quarto escuro da mágoa? Abra as portas do perdão.
  • Se encontra confinado aos acontecimentos passados? Abra a porta do presente.
  • Sente-se aprisionado pelo seu potencial atual? Abra as portas do aprendizado de coisas novas.

Sim, eu sei, você vai me dizer que já tentou fazer isso várias vezes, mas as portas não se abriram, parecem estar emperradas… Mas, espere um pouco… Será que você girou a maçaneta para o lado certo?

O fato das coisas não darem certo em noventa e nove tentativas, não significa que não darão certo na centésima, especialmente se você tentar de uma forma diferente.

Não viva aprisionado às generalizações. Você não é uma estatística, é um ser de potencial ilimitado.

Não se esqueça também que você pode mudar de porta… As portas que não se abrem servem para duas coisas básicas em nossas vidas:

1) Testar nossa perseverança, garra e inteligência em abri-las;

2) Fazer-nos perceber que nosso caminho não passaria por aquela porta, que estávamos diante da porta errada.

Só os mais experientes e mais sábios descobrem rapidamente a diferença. A maioria das pessoas se engana: insiste na porta errada e desiste da porta certa. Preste atenção nisso! O tempo, a experiência e, sobretudo, um coração humilde lhe ensinarão a reconhecer a diferença.

“A vida é um labirinto de portas. Para cada uma que você abrir, outra surgirá, e o que está por trás de cada uma delas, jamais será a mesma coisa. Nem você será o mesmo, dependendo das portas que escolher…”

 

Entre todas essas portas, existe uma fundamental: aquela que só abre por dentro e dá acesso ao seu coração. É por essa porta que entra a Luz de Deus!

E é por ela que você sai do passado, abandona suas mágoas, frustrações e limitações e parte na direção de novas possibilidades e oportunidades.

Essa porta que só abre por dentro também parece não abrir em determinadas situações: inverta o sentido da maçaneta! Porque, na vida, é perdoando que se é perdoado, é amando que se é amado, é dando que se recebe.

Há uma porta esperando para ser aberta neste exato momento, só depende de você!


Mudar de idéia…

Imagine-se viajando numa lancha, com o piloto automático ajustado para o Leste. Se você decidir dar a volta e seguir para o Oeste, haverá duas formas possíveis de mudar a direção do barco.

Uma forma é agarrar a roda do leme e forçá-la fisicamente para o lado oposto ao ajuste do piloto automático. Com força de vontade, você poderia até vencer o piloto automático, mas sentiria constantemente uma resistência. Seus braços acabariam se cansando do esforço, você soltaria a roda do leme e a lancha, instantaneamente, voltaria para o leste da forma em que estava programada.

É isso que acontece quando você tenta mudar sua vida apenas com força de vontade. Você diz: “Vou comer menos… Fazer mais exercícios… Deixar de me atrasar… Vou ser mais organizado”. A força de vontade pode produzir mudanças em curto prazo, mas cria uma pressão interna constante, porque você lidou com a causa básica. A mudança não é natural, então você acaba por desistir… Sai da dieta… Deixa de se exercitar… Continua chegando atrasado… A ser mais desorganizado. Você rapidamente retorna aos padrões anteriores.

A segunda forma é ajustar o piloto automático. E como você faz isso? Mudando sua forma de pensar. Toda mudança deve sempre ocorrer primeiro em sua mente. Sua forma de pensar determina sua forma de sentir, e o que você sente influencia sua forma de agir.

Fonte: Prof. Menegatti

HOJE É O SEU DIA!!!

HOJE É O SEU DIA

A vontade eficiente, aquela que atua realmente com resultados práticos, é a que tem início no presente.

Assim, dê novo alento a sua vontade, comece logo a sua atividade, seu projeto, sua ambição.

Iniciando, persista no esforço, prossiga no caminho iniciado. Nada de dúvidas, timidez, vacilação.

Lembre-se que um veículo quando inicia a marcha não arranca bruscamente, mas com certa lentidão.

A medida, entretanto, que avança, adquire maior poder até alcançar a velocidade.

Então você pode constatar como aos poucos irá aumentando a sua confiança para levar avante até o fim a obra começada.

Sua vontade pode ter maior impulso e sua iniciativa irá se firmando, se você observar algumas regras importantes.

A primeira consiste em estudar atentamente os prós e os contras do que pretende.

Depois entrar na luta sem vacilar.

Naturalmente, você vai encontrar dificuldades no começo. No entanto, o aparente fracasso que se apresenta no início não deve amedrontá-lo. Pelo contrário, você deve estar prevenido, deve mesmo contar com obstáculos nesse período.

O fator tempo, precisa ser considerado como uma das dificuldades inicais. Assim, não deve se desesperar nem se impacientar pelo fato das coisas não se realizarem tão depressa quanto você desejaria que se realizassem.

O certo, porém, é que se persistir, alcançará o objetivo.

O que importa é tomar a iniciativa, fazer acontecer, estabelecer metas e objetivos.

Partir na direção do seu sucesso.

Vá em frente, dê inicio aquela ação que você vem retardando a algum tempo.

Pense positivo.

Hoje é o seu dia!

Praticando a Paciência

A virtude da paciência nos ajuda a criar um self pacífico e amoroso. Quanto mais pacientes formos,mais bem-estar e compaixão experimentaremos. A paciência é essencial para obtermos a tão almejada paz interior.

Tornar-se paciente implica abrir o coração para o momento presente,apesar das dificuldades e da sensação de impotência diante dos conflitos. Abrir-se para o momento significa perceber literalmente o fato que nos angustia e relaxar,impedindo que ele(o momento) fuja ao nosso controle.
Quando procuramos compreender os acontecimentos e as pessoas  em sua essência,sempre conseguiremos perceber intenções positivas ou saídas para os labirintos que nos aprisionam.
Sem paciência,a vida é extremamente frustrante. Tornamo-nos facilmente irritáveis, vulnerantes, entediados. Perdemos o brilho interior e nos transformamos num peso para as pessoas com as quais convivemos.

Num reino distante,vivia um mestre admirado por sua sabedoria e paciência. Ele possuía inúmeros discípulos e um cozinheiro muito ranzinza.
Certo dia,cansados de serem espezinhados pelo cozinheiro,alguns discípulos decidiram cobrar uma atitude do mestre em relação a ele. Disseram-lhe:
– Mestre,há tantos cozinheiros no reino. Não conseguimos entender por que não despede esse que o serve. Muitas vezes já o surpreendemos agredindo-o com rudes palavras.
– Eu não posso. Ele é o meu mestre – respondeu o sábio.
– Como assim? – indagaram,incrédulos,os discípulos.
– Sim. Ele é o meu mestre da paciência. Sem ele,como eu iria praticá-la.

“Todos somos discípulos e todos somos mestres. Que tipo de mestre você é especificamente?”

Fonte: Orvalho para a alma – Litteris Editora

 

A Sabedoria e a Alegria


Vou ensinar-te agora o modo de entenderes que não és ainda um sábio. O sábio autêntico vive em plena alegria, contente, tranquilo, imperturbável; vive em pé de igualdade com os deuses. Analisa-te então a ti próprio: se nunca te sentes triste, se nenhuma esperança te aflige o ânimo na expectativa do futuro, se dia e noite a tua alma se mantém igual a si mesma, isto é, plena de elevação e contente de si própria, então conseguiste atingir o máximo bem possível ao homem! Mas se, em toda a parte e sob todas as formas, não buscas senão o prazer, fica sabendo que tão longe estás da sabedoria como da alegria verdadeira. Pretendes obter a alegria, mas falharás o alvo se pensas vir a alcançá-la por meio das riquezas ou das honras, pois isso será o mesmo que tentar encontrar a alegria no meio da angústia; riquezas e honras, que buscas como se fossem fontes de satisfação e prazer, são apenas motivos para futuras dores. (Sêneca)
 

A Única Alegria Neste Mundo é a de Começar

A única alegria neste mundo é a de começar.

É belo viver, porque viver é começar, sempre, a cada instante. Quando esta sensação desapaece – prisão, doença, hábito, estupidez – deseja-se morrer.
É por isso que quando uma situação dolorosa se reproduz de modo idêntico – parece idêntica – nada apaga o horror que tal coisa nos provoca.
O princípio acima enunciado não é, portanto, próprio de um viveur. Porque há mais hábito na experiência a todo o custo (cfr, o antipático «viajar a todo o custo») do que na charneira normal aceite com o sentido do dever e vivida com entusiasmo e inteligência. Estou convencido de que há mais hábito nas aventuras de do que num bom casamento.
Porque o próprio da aventura é conservar uma reserva mental de defesa; é por isso que não existem boas aventuras. Só é boa aventura aquela em que nos abandonamos: o matrimónio, em suma, talvez até aqueles que são feitos no céu.

Quem não sente o perene recomeçar que vivifica a existência normal de um casal é, no fundo, um parvo que, por mais que diga, não sente, sequer, um verdadeiro recomeçar em cada aventura.

A lição é sempre a mesma: atirarmo-nos para a frente e saber suportar o castigo. É melhor sofrer por ter ousado agir a sério do que to shrink(ou to shirk? (recuar) ). Como no caso dos filhos: é de resto a Natureza que o quer, e recuar é cobardia. No fim – já se tem visto -, paga-se mais caro.

Cesare Pavese, in “O Ofício de Viver”

– 04 Firework Mp3

%d blogueiros gostam disto: